2 de mai de 2007

Fotografia como Vigilância e Controle....


Acostumamo-nos a pensar na fotografia como uma forma de expressão visual que documenta os fatos, os amigos, os beijos, aftetos, carinhos... e que deste modo ela guarde para o futuro lembranças de pessoas queridas ou locais que visitamos ou gostariamos de visitar algum dia, entre outras várias manifestações emocionais ou autorais possíveis. Porém, é importante lembrar que há muito tempo esta mesma fotografia é usada para fins de controle e vigilância.. Nos tempos atuais a figura dos paparazzos perseguindo celebridades nos remete um pouco a esta idéia; e ela até soa um pouco distante de todos aqueles que não vivem ao redor do universo destas personalididades midiáticas. Mas é preciso atentar para o fato de que em vários outros momentos, a imagem do cidadão comum, a "sua" imagem, está sendo registrada em nome de uma suposta segurança. Pois esta "sua" imagem, fica registrada, armazenada, e muitas vezes ainda fica fichada e catalogada. Para que uso afinal?! Apesar disto nunca ser muito bem descrito, não é preciso muito esforço para imaginar a intenção do uso em alguns locais.... E assim seguimos nesses temos atuais, misturando espaços públicos com privados, embaralhando valores e pensamentos, ditos pós-modernos.
....
Entretanto este tipo de controle vem de longa data como podemos ler adiante: "Fotos fornecem testemunho. Algo de que ouvimos falar mas de que duvidamos parece comprovado quando nos mostram uma foto. Numa das versões da sua utilidade, o registro da câmera incrimina. Depois de inaugurado seu uso pela polícia parisiense, no cerco aos communards, em junho de 1871, as fotos tornaram-se uma útil ferramenta dos Estados modernos na vigilância e no controle de suas populações cada vez mais móveis..." (Na Caverna de Platão - Sobre Fotogrfia - Susan Sontag - Cia das Letras) Pensem em quantas cãmeras já te observaram hoje.. quantas delas clicaram sua imagem?! Reflita sobre a idéia e qq coisa entre em contato por mail: mickele.net@gmail.com bjs&abs a todos! m. www.mickele.net

26 de mar de 2007

Manipulação ou Tratamento Digital de Imagens?!



Entre uma colocação e a outra podemos refletir um pouco sobre o conceito digital da imagem. Uma vez sendo a imagem digital construída por milhares de pequenos pixels, e que por meio de um software de edição de imagens (o mais conhecido - adobe photoshop) é possivel mexer em cada um desses pixels, podemos afirmar que, na prática estamos manipulando toda informação contida dentro de cada unidade da imagem. Porém, algumas palavras carregam consigo um peso extra, conforme o seu uso pela sociedade a cada determinado tempo da historia. E a palavra "manipulação" vem sendo associada a uma ideia pesada, negativa, e raramente ela é isolada na sua área de atividade técnica. Daí que o "karma" desta palavra traz um peso nem sempre condizente com o que efetivamente está sendo feito com determinada imagem. Consequentemente, é cada vez mais comum ouvir no meio fotográfico o uso da palavra "tratamento" da imagem. Principalmente quando se abre deterrminada imagem para se fazer apenas correções de densidade (claros e escuros) , pequenos ajustes de foco ou reduções e interpolações de resolução final. E usa-se, ainda sim com certa timidez, a palavra "manipulação" quando se altera profundamente uma imagem, como quando se altera padrões originais de cores (vide o exemplo acima de uma foto que fiz da apresentação de tango de Neuza Abbes em show de Blas Rivera), ou quando por exemplo, se faz do céu de um dia cinzento o céu de um dia de sol, ou ainda quando se realiza fusões de várias imagens, apenas para ficar no básico. Entretanto, na prática se "manipulou" informações originais tanto numa situação quanto na outra. Logo, a questão oculta por detrás dessa discussão de palavras tem mais ligação com a transparência da informação que toda imagen deveria conter ao ser apresentada publicamente, mas essa questão ética fica pra depois... bjs&abs a todos!!! Mandem seus comentarios para mickele.net@gmail.com

22 de jan de 2007

Do início....para uma boa fotografia


Quais seriam os cuidados fundamentais para uma boa foto?“ Já ouvi esta pergunta inúmeras vezes...e pretendo discorrer um pouco sobre alguns pontos a este respeito.Um erro clássico de muitas fotografias está no fato da atenção do olhar se fixar na pessoa ou o assunto, em geral bem no meio do quadro, e simplesmente ignorar todo o restante do quadro. Assim a foto perde uma gama de possibilidades de trabalhar as informações que estão em todo espaço ao seu redor. Logo, podemos tentar resolver este ponto movimentando as pessoas e objetos e/ou elementos da natureza num dialogo de espaços, e para isso, vai ajudar em muito se na hora de fotografar ou ate mesmo antes, criarmos imaginariamente uma trama , uma espécie de jogo da velha no quadro a ser fotografado, cujo nome técnico é: – Regra dos Terços Experimente fazer isso com qualquer imagem que esteja perto de você agora. Ao criar esta malha imaginaria, imediatamente percebemos que deixamos de ter apenas um centro a ser ocupado, mas sim nove espaços (talvez valha a pena desenhar isso num papel hein?!). Pois bem, temos quatro linhas pra fazer um jogo da velha, certo?! Os encontros destas linhas são denominados pontos áureos, fundamentais, ou cardeais, da sua imagem. Ao fotografar uma pessoa procure posiciona-la numa dessas duas linhas verticais. Deste modo vai sobrar um espaço grande pára a ocupação de um fundo, para se estabelecer um diálogo entre o primeiro e o segundo plano da sua imagem, seja ele algum elemento da casa, uma arvore uma planta, apenas uma parede, enfim. A idéia é começar a alargar o quadro, como se estivéssemos empurrando com as duas mãos um quadro que normalmente achamos muito apertado, mas que na verdade não é! Experimente, jogue o seu comentario, visite o site www.mickele.net ... e qq coisa grite pelo mail! mickele.net@gmail.com bjs&abs m

2 de jan de 2007

A Encrenca Digital?!



A explosão do consumo de câmaras fotográficas de tecnologia digital de imagens, está relacionada aos preços acessíveis e também pela facilidade de uso desta tecnologia. Nunca antes na história foi tão fácil registrar tudo e todos. Seja com um câmara ou com um celular que possua uma câmara embutida.
.....
Na prática várias pessoas estão clicando muitas coisas, inclusive devem estar fazendo isso exatamente neste momento que você está lendo isto.
Porém, nem sempre foi assim... Durante muito tempo a fotografia era uma caixa preta para poucos... Por causa do esforço e do custo. Então diria que o que está acontecendo é benéfico, mas também é nocivo.
...
Vivemos atualmente um momento problemático. A fotografia profissional de serviços está ameaçada.
Não porque todos que clicam a rodo estejam agora estudando todas as regras e técnicas da boa composição fotográfica, mais o controle de luz & sombra, recebendo aulas com as devidas orientações de enquadramento, trocando com professores e profissionais sobre a correta relação com os modelos e/ou estudando o trabalho dos grandes mestres da história da imagem para terem referência do que fazer na hora do clic... Absolutamente não estão!
....
Porém dentro do universo dos serviços fotográficos gerais os famosos “freelas” estão desaparecendo, porque o que um olho treinado consegue claramente perceber estar fraco & pobre não é percebido por quem paga a conta, o contratante. Ele está mais que satisfeito em ter apenas um registro do acontecimento e um valor muito, mas muito menor para pagar.... Logo ..... bem......ts,ts,ts..... continua depois, mas se quiser buzinar manda ver nos comentários...bjs&abs

mickele.net@gmail.com